sexta-feira, 18 de agosto de 2017

Colecção de Pins

Colecciono pins à cerca de 6 anos. A maior parte deles estão relacionados com viagens: uns fui eu que comprei, e é desses que eu mais me orgulho, e outros foram comprados por familiares ou amigos. O primeiro foi-me dado pela minha mãe e veio da África do Sul. O último, até ao momento, foi-me dado pelo meu irmão e veio do Brasil. Creio que a colecção esteja prestes a crescer, mas não tenho total certeza disso.
Nem todos os pins tomaram o rumo que lhes queria dar, mas são sempre bem vindos. Alguns deles estão relacionados com os escuteiros, dois de actividades e um de uma das vertentes do escutismo no CNE. Os dois restantes representam dois estabelecimentos de ensino: o meu instituto de ensino superior, o IPB, e o colégio onde estudei do 9º ao 12º ano, o Colégio La Salle.
De todos, o que mais gosto é o da Disneyland Paris. É grande, original (as personagens rodam) e vem de um dos sítios mais mágicos e que eu mais gosto neste planeta.


Espero que tenham gostado. 
Também fazem algum tipo de colecção? Contem-me nos comentários!!

sábado, 12 de agosto de 2017

Julho 20.17

2017 tem-me surpreendido cada vez mais. Julho ajudou à festa. Digo isto porque foi neste mês que tirei a carta de condução - o verdadeiro ponto alto. Foi algo que me deu algum trabalho e o medo de reprovar mais uma vez era real. Felizmente, tudo correu pelo melhor e já conduzo sem qualquer receio.
Julho foi o mês do primeiro mergulho, da primeira festa de aniversário de Verão e dos passeios pela praia, o mês do primeiro sunset com amigos, da visita ao Porto para reencontrar uma amiga italiana que conheci em Praga e do 'Acanac + Cedo'.
Julho foi também o primeiro mês que passei na minha verdadeira casa depois de quase um ano. O mês em que matei saudades da comida da minha mãe e da minha cama. O mês em que voltei a reencontrar parte da minha família e em que passei tempo de qualidade com os meus pais. Foi o mês em que voltei a ver o meu irmão - finalmente!!!! -  depois de dois meses sem lhe pôr a vista em cima.
Em Julho viciei no novo álbum dos Foster the People - especialmente na Sit Next to Me - e nas séries Riverdale e Younger. No YouTube, viciei em Porta dos Fundos e em vídeos acerca de Bullet Journal e Journaling. Na Blogosfera amei dois posts e ambos do mesmo blogue: o "Reconheço-me" e o "@rorablue" da Inês, do Bobby Pins. Achei-os, muito sinceramente, brilhantes. A nível académico, descobri - finalmente!!! - que passei a todas as cadeiras e que acabei o 2º ano de licenciatura.
Felizmente, em Julho, não me aconteceu nada de mal. Nem a mim, nem aos meus. Que todos os meses sejam assim.
Em Julho vivi e sorri imenso. Em Julho fui feliz.


*Fotografia da minha autoria. Não utilizar sem autorização prévia*

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

ACANAC 2017 - Abraço o Futuro #2


O ACANAC já acabou e para trás ficam as memórias e as pessoas que conheci e reencontrei. Apesar da desorganização e das inúmeras falhas, foi uma boa atividade. Como já tinha dito, fui para Idanha-a-Nova dia 26, e apesar de a volta que dei nesse dia pelo CNAE ter sido pequena, pareceu-me que ainda havia muita coisa por fazer e que não ia estar tudo pronto até à chegada dos participantes. 
Ao longo dos dias, essas pequenas dúvidas foram-se dissipando e com a ajuda de todos, as coisas recompuseram-se. No domingo, o dia em que 55% dos participantes chegaram, tudo estava a postos para os receber.

O meu trabalho nesses dias passou por várias coisas: colocar sinalização no campo, retirar mato do campo dos lobitos, colocar paletes de bebidas numa melhor disposição, ajudar a colocar os kits entregues aos agrupamentos em ordem, colocar grades à volta do campo para esconder os geradores, entre muitas outras coisas. Podem parecer coisas simples, mas que debaixo daquele sol abrasador, se tornaram coisas difíceis de executar. Ao longo dos dias no 'Acanac + Cedo' tivemos também oportunidade de ir à piscina, à barragem e ao centro de Idanha, onde vimos os D.A.M.A. e assistimos a um fogo de artifício maravilhoso - coisa que dificilmente esquecerei.



Por ter participado neste programa, senti um certo egoísmo quando, no domingo, montes de escuteiros chegaram e parecia que estavam a invadir um espaço que já era tão meu e que eu "ajudei" a construir. Apesar disso, e depois de terem chegado os meus amigos e conhecidos, esse pensamento desapareceu e deu lugar a uma alegria imensa por estar a partilhar aquele local fantástico com as minhas pessoas.

Logo na segunda-feira, dia 31, reencontrei a Madalena, a minha companheira de Erasmus, o meu Clã e todos os meus amigos que chegaram de Barcelos. Conheci a Leonor, do Dancing Shoes, e foi das melhores coisas que me aconteceu nesta atividade. A ânsia de a conhecer já era muita e assim que se deu a primeira oportunidade sem entraves, encontramo-nos logo. Apesar de ter estado pouquíssimo tempo com ela, deu para perceber que não só na blogosfera mas também na vida real ela é carismática, cheia de vida e uma miúda excelente. Os elogios da parte dela caíram sobre mim de uma forma especial e apesar de não ter dito grande coisa, sinto que ela conseguiu perceber que eu estava super contente por tê-la à minha frente e que os elogios eram recíprocos. O distintivo de Setúbal, que me foi dado por ela, já tem um lugar especial no meu quarto. Agradeço-te muito Leonor pelo distintivo, pelo sorriso, pelos abraços, pelos elogios e por seres tu. Ahhh e a "guerra" de sotaques veio também à baila. ahah Tenho a certeza que nos vamos encontrar um dia destes e falar tudo aquilo que ficou por falar.



Nesse dia conheci o nosso Presidente da República, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa que se prontificou a tirar fotografias com todos os presentes, e o João Armando, o Presidente da WOSM - World Organization of the Scout Movement. Queria imenso conhecê-lo antes que o mandato dele terminasse e o dia 31 foi o dia escolhido. Esse dia ficou marcado ainda pelo facto de o Presidente da Câmara de Idanha-a-Nova ter nomeado cada um dos escuteiros presentes como Embaixadores do Município. Algo que não tem qualquer importância a nível civil mas que me deixou super contente.



Os dias seguintes foram passados na freguesia de Oledo, a cerca de 10km de Idanha. Depois de um raide *cof cof* cansativo *cof cof*, chegamos a Oledo e fomos super bem recebidos por toda a população. Convivemos com eles e fizemos um arraial com serenatas incluídas. Fomos pessoas felizes no meio de todos aqueles idosos que estavam felizes por nos verem. A minha tribo fez ainda o jantar na casa de um dos habitantes e jantamos com ele. Tiramos uma fotografia como o anfitrião e agora vamos envia-la por correio para que ele fique com uma recordação nossa.



Assim que saímos de Oledo, voltamos a campo e os restantes dias foram passados ou encontrar pessoal, ou no 7sentes, a dançar e a descobrir novas coisas, ou nos Génesis, a fazer atividades, ou então na Barragem, a andar de canoa e a nadar. Infelizmente e devido ao extremo cansaço acumulado, adormeci e não fui à cerimónia de Encerramento. Pelo que me contaram, foi tão enfadonha como a de Abertura mas com um pequeno up devido ao show dos D.A.M.A.. Ainda assim, gostava de ter estado presente e de ter aproveitado todos aqueles momentos com quem mais gosto. Os momentos da Arena Rover também foram excelentes, sendo que num deles, o cansaço voltou a apoderar-se de mim e não aproveitei nada.

Como já disse acima, as falhas e a desorganização foram uma constante. A pouca variedade de comida nos supermercados, a espera ao frio por mais de 2h30, o pouco sombreamento em certos campos escolhidos para montagem de tendas ou a pressa de voltar a campo para estarmos muito tempo sem fazer nada são alguns dos exemplos. A meu ver, se anunciaram tanto que ia ser o maior acampamento que o CNE já alguma vez teve e que iam estar 22 000 escuteiros em campo, acho que podiam melhorar certas coisas e fazerem jus àquilo que apregoaram. Isto é uma crítica, mas construtiva, para que no próximo Acanac as coisas melhorem e não deixem tão aquém. 

Ainda assim, o acampamento nacional foi espectacular e apesar do cansaço e da saturação que comecei a acusar nos últimos dias, voltava sem pestanejar para reviver cada momento, "reconhecer" cada pessoa e reencontrar cada amigo. Foi fantástico e espero continuar nos escuteiros para reviver o próximo.

Deixo-vos ainda mais algumas fotografias que retratam um pouco o meu ACANAC:










A Leonor despediu-se de mim, na primeira vez que nos encontramos, com um "Sê Feliz!". Durante este ACANAC foi o que mais fui. Obrigado.

"Acredita em ti, abraço o futuro
Deixa que o mundo te inspire a sonhar
Neste Acanac, celebra a amizade
A felicidade podes encontrar"

*Todas as Fotografias são da minha autoria/pertencem-me. Não utilizar sem autorização prévia*

domingo, 30 de julho de 2017

ACANAC 2012 - Idanha-a-Nova
Sou feliz quando estou rodeado de escuteiros.
Amanhã vou fazer parte dos 20.000 presentes em Idanha-a-Nova
(e já cá estou desde quarta).

*Fotografia retirada da Internet*

quarta-feira, 26 de julho de 2017

ACANAC 2017 - Abraça o Futuro

Oficialmente o ACANAC - Acampamento Nacional do CNE -, cujo tema é "Abraça o Futuro", começa no dia 31 de Julho mas, como estou tão ansioso para o início desta atividade, vou mais cedo. Hoje, dia 26, o final do dia já vai ser passado no CNAE em Idanha-a-Nova para participar no 'Acanac +Cedo'. Esta é uma atividade dirigida a caminheiros, candidatos a dirigentes e dirigentes e tem como finalidade ajudar a "construir" o Acanac de uma forma material, isto é, na construção de sombreamentos, placas de sinalização, pórticos, entre outras coisas. 
A nós, participantes, é nos oferecido momentos de aprendizagem, de confraternização com escuteiros de todos os pontos do país, muitos momentos de brincadeira e alegria e vários mergulhos na barragem para relaxar depois do trabalho.

Assim que começar a actividade, o plano para os caminheiros está todo traçado, sendo que vamos sair para raide logo a seguir à cerimónia de abertura e chegamos na quinta feira a seguir, para aproveitarmos o campo e descansar um pouco dos 25km que fizemos nos dias anteriores. Conto reencontrar amigos escuteiros que fiz nas várias atividades em que participei e a Madalena, que foi uma das minhas companheiras de Erasmus e que é escuteira em Lisboa. Conto ainda conhecer a Leonor, do Dancing Shoes, e pelos nossos planos tudo vai correr na perfeição - aguardem por fotografias.

Só me resta aproveitar a fantástica atividade que me aguarda e voltar de lá com montes e montes e montes de histórias para contar e amigos que sem dúvida nenhuma vão ser para a vida. Pelo menos assim o espero.
Até dia 6!!!

domingo, 23 de julho de 2017

A minha lembrança mais feliz em viagem

Para além de todas aquelas "típicas" lembranças de fazer uma viagem em família ou ver algo ou alguém que queríamos muito ver, a minha lembrança mais feliz numa viagem a "solo" e enquanto crescido foi em Budapeste, na Hungria. Pode ter sido algo muito trivial para o resto da população mas para mim foi algo com imenso significado.

Tudo se passou à hora de almoço, no meu primeiro dia completo em Budapeste. Eu e alguns dos meus amigos estávamos, no hostel, a limpar tudo aquilo que tínhamos sujado para fazer o almoço. Uns estavam a lavar a loiça e eu e outros estávamos a confraternizar. Tudo aconteceu por causa da mesa comum estar suja. Como não me custava nada, levantei-me, peguei num pano e fui limpar a mesa. Depois de limpa, uma senhora idosa, que vivia numa casa vizinha ao hostel e que estava lá aquela hora, disse-me qualquer coisa em húngaro e como seria de esperar não percebi nada. A recepcionista traduziu, e após ver o meu sorriso, a senhora vem à minha beira e dá-me um abraço super apertado. 

Este simples gesto fez-me lembrar os meus avós e o quanto sou ligado aos mais velhos. Naquela altura, e ainda sem eu saber, o meu avô estava com uma doença gravíssima e a minha avó, que me criou desde os meus 10 dias de idade, já tinha falecido, por isso, senti, naquele "simples" abraço, a presença de ambos, sendo que de um deles estava "apenas" a uns milhares de quilómetros de distância. 

O conteúdo daquela mensagem em húngaro foi, mais ou menos, isto: "É estranho ver um homem a levantar-se do sofá e ajudar, limpando aquilo que está sujo. Ainda mais quando é um jovem. Gostei muito de ver.". A partir deste momento passei a fazer sempre isso, não para receber elogios ou abraços, mas para facilitar a vida aos outros, quando o posso muito bem fazer e para me lembrar sempre desse adorável momento. Gostava de ver outra vez essa senhora e agradecer-lhe por aquele simples gesto, gesto que fez com que fosse a minha lembrança mais feliz de todas as minhas viagens.




Em viagem, qual é a vossa lembrança mais feliz. Contem-me nos comentários!

*Quote/Fotografia retirada do Google*

quinta-feira, 20 de julho de 2017

Carta de Condução

Quem me conhece e quem é próximo de mim, sabe que eu andei a tirar a segunda parte da carta de condução durante este último semestre. Sabe também que foi um tormento e que as dores de barriga antes de cada aula de condução eram uma constante. Acontece que depois de um exame falhado, aqui estou eu, como recém-encartado. 

Fui a exame de condução, pela segunda vez, na passada sexta-feira, dia 14 de Julho, e depois de todo aquele sofrimento dentro do carro, o tão esperado papel azul foi-me entregue pela mão do engenheiro que fez o meu exame. 

Depois de todos os momentos de nervosismo, as vontades de ir à casa de banho, os momentos de sofrimento e de quase choro dentro do carro e de todas as vezes em que - tal como em tudo - pensei em desistir, consegui o tão desejado papel que me dá liberdade para andar pelas estradas. Com bastante precaução, claro.

Agora já só quero conduzir e ter um carro só meu. Agora e nos primeiros tempos, tenho de conduzir sempre com um dos meus pais ao meu lado para começar a ganhar confiança. Daqui a uns tempos já posso andar sozinho e finalmente ir a todas as reuniões dos escuteiros - o motivo pela qual tirei a carta.

Está tudo a correr conforme o planeado e mais uma vez, um objectivo alcançado. 2017 está a surpreender-me!


Como foram os vossos tempos de aprendiz de condutor?

*Fotografia da minha autoria. Não utilizar sem autorização prévia*

quarta-feira, 12 de julho de 2017

Dicas para Viagens

Com base nas viagens que já fiz, trago-vos alguns travel tips para tornar a vossa viagem um bocado melhor e mais "aproveitável". Alguns deles sigo à risca, outros, encontrei na Internet e achei tão de génio que decidi partilhar convosco. Se tiverem mais alguma dica que não esteja nesta lista, deixem nos comentários.
  • * Para marcar voos procurem sempre no skyscanner - em janela anónima para os preços não aumentarem a cada clique - mas comprem sempre directamente no site da companhia aérea. Este tipo de sites cobra sempre um valor a mais para pagar o trabalho deles.
  • * Marquem o voo com pelo menos um mês e meio de antecedência. A partir daí os preços costumam sempre subir.
  • * Procurem quartos em sites de hosteis, hotéis e em plataformas que alberguem ambos os tipos. Ás vezes conseguem quartos em hotéis com melhores condições do que em hosteis por um óptimo preço
  • Se não quiserem ficar num hotel ou estiverem em grupo procurem no Airbnb - costumam ter preços fantásticos para casas/quartos e com óptimas localizações
  • * Tracem sempre um roteiro com especial ênfase naquelas coisas que querem mesmo ver - é uma maneira de poupar tempo e de não andar à "deriva" no destino (embora isso até seja bom porque conhecemos locais menos turístico. Aconselho a deixarem isso para o caso de terem tempos livres)
  • * Se fizerem viagens para destinos paradisíacos gastem sempre um dia ou dois para visitar cidades locais - destinos destes têm sempre óptimas opções culturais e que devem ser apreciadas
Aeroporto Francisco Sá Carneiro. Fevereiro 2017
  • Tenham copias digitais dos vossos documentos para o caso de serem roubados e mandem para email ou facebook - algo que seja de fácil e rápido acesso.
  • No aeroporto, para não gastem um dinheirão numa garrafa de água, levem uma vazia e encham-na depois do raio-x.
  • Se não gostam de esperar muito pelas malas, quando elas vão para o porão, coloquem uma etiqueta a dizer "frágil". Desta forma ela será posta no topo das malas (dentro do avião), terão mais cuidado com ela e será a primeira aparecer no tapete no aeroporto de chegada.
  • * Comprem alguns bilhetes para espectáculos e museus online e com antecedência, podem encontrar bons descontos
  • Enrolem a roupa para economizar espaço dentro da mala - especialmente quando é daquelas pequenas de cabine.
  • Se tiverem de fazer conversão para a moeda local e tiverem grandes quantidades de dinheiro, dividam-no e guardem-no em vários locais - quer na roupa, corpo ou acessório.
  • * Procurem sobre o destino e aquilo que podem fazer gratuitamente
  • Se sabem que vão comprar roupa e souvenirs a mais em determinada viagem porque as coisas lá são mais baratas, levem muito espaço vazio na mala.
  • Se quiserem ir a um museu, vejam no google com menor afluência
  • * Sejam educados, quer para locais, quer para outros turistas - pode ser-vos útil.
(*) Aqueles que sigo religiosamente, mediante o tipo de viagem, claro.

Lisboa - Munique. Fevereiro 2017
*Fotografias da minha autoria. Não utilizar sem autorização prévia*

sábado, 8 de julho de 2017

2º ano: Obrigado

O meu segundo ano de licenciatura começou de uma forma diferente. Começou num país diferente e com pessoas muito diferentes daquilo a que estava acostumado. Começou num país e numa cidade que eu aprendi a amar e que agora são muito minhas e com pessoas um bocado snobs mas que fizeram os meus dias lá valer a pena. Consegui fazer  todas as cadeiras a que me tinha proposto e fiquei muito contente por isso.

O segundo semestre voltou a ser passado em Portugal e com várias adversidades pelo meio. Senti, ao longo do semestre, que não estava preparado para aquilo que estava à minha frente e queria desistir. Esta última parte deu-se fundamentalmente em Junho, quando tinha trabalhos, apresentações e frequências, umas em cima das outras. E estes momentos de fraqueza também só tiveram lugar porque estive cerca de 8 meses (quase) sem estudar e quando tive mesmo de o fazer, sentia que não era capaz.

Felizmente, consegui fazer todas as cadeiras. Umas com notas melhores, outras com notas não tão boas, mas consegui. Tentei dar o meu melhor para todas as avaliações e senti-me injuntiçado quando em algumas, a que eram feitas em conjunto com outros colegas, eu dei 100% de mim e alguns deles nem 20% deram e no final tivemos quase a mesma nota.

Ontem soube, finalmente, a última nota que precisava para saber que tinha acabado o 2º ano da minha licenciatura. Não foi com a melhor nota do mundo mas lutei por ela e fico um tanto ou quanto triste por não ter alcançado positiva numa cadeira que me diz muito. Com a ajuda do Erasmus, a nota passa para positiva e no final de contas, isso é que interessa.

Estou a caminho do meu último ano de licenciatura e em Bragança, o meu ano de finalista, e a ânsia de acabar o mais rápido possível vai fazer com que eu mude um pouco as minhas ideias em relação aquelas que tive este semestre. Espero e quero - muito! - empenhar-me mais e tirar muito melhores notas, visto que no próximo ano não vou ter nada que me ajude ou que me dê suporte. Se tudo correr bem, daqui a um ano estou ou quase licenciado e prestes a abraçar a etapa que me leva o meu objetivo de vida. Está quase!!

THAT'S A WRAP! I'VE MADE IT! 3º ano, HERE I GO!

ESEB, Bragança - Junho 2017
*Fotografia da minha autoria. Não utilizar sem autorização prévia*

sábado, 1 de julho de 2017

Junho 20.17

Junho foi marcado pela fase final do 2º ano de licenciatura. Pelos trabalhos, pelas frequências e pelas apresentações. Pelo cansaço, pela exaustão e pela vontade de largar tudo. Apesar disso, a perseverança e a confiança naquilo que fiz prevaleceu e aqui estou eu. Estou como (quase) aluno do 3º ano da minha licenciatura. O ano de finalista e o ano da despedida da cidade que me fez crescer, e muito. 

Ainda relacionado com a universidade, Junho trouxe a vitória da lista à qual pertenci para tomar posse do Núcleo de Estudantes do meu curso durante o próximo ano letivo. As semanas que antecederam às votações envolveram muito trabalho e um espírito de grupo fantástico. Sinto que vamos fazer um bom trabalho no próximo ano. Os momentos que passei com os meus colegas de turma também foram um grande plus. Para nos despedirmos deste ano, fizemos uma série de jantares e juntamo-nos muitas vezes, o que deu para reavivar algumas amizades e tornar outras ainda mais fortes.

O sexto mês do ano foi ainda um mês de decisões. A nível escutista, essas decisões deram-me muitas dores de cabeça. No final decidi que não vou ao Sol a Sol - uma actividade que se realiza na Drave no mês de Agosto - e que vou apostar mais no meu currículo escutista. A nível académico, tudo andou à volta do meu estágio curricular do próximo ano. Ainda não está totalmente decidido mas está a caminho disso. A nível da Internet, ditou o meu retorno à blogosfera. Apesar de ter estado pouquíssimo tempo afastado, senti imensa vontade de voltar a escrever e mostrar o meu mundo. Por isso mesmo, aqui estou eu, com uma cara lavada. Espero, mesmo, que estejam a gostar.

Para finalizar em grande, voltei a casa depois de um mês quase todo passado em Bragança. As saudades da minha cama, da minha família, dos meus amigos e da comida da minha mãe eram mais que muitas. Agora só me resta aproveitar as férias e os momentos com eles.


Bragança - Junho 2017
*Fotografia da minha autoria. Não utilizar sem autorização prévia*